Sozinho, Hospital Universitário da UFC fez mais transplantes de fígado que México ou Chile

Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), da Universidade Federal do Ceará (UFC), bateu novo recorde e realizou 130 transplantes de fígado em 2013. Com isso, ele ultrapassou o Hospital Israelita Albert Einstein (102 transplantes ano passado), até então líder em transplantes da América Latina. Sozinho, o Hospital Universitário Walter Cantídio fez mais transplantes de fígado que o México (106 transplantes, dados relativos a 2012) ou Chile (74 transplantes, em 2012).

O Brasil é o 2º em número absoluto de transplantes hepáticos no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos.

‘Orgulho’

“Esse desempenho é motivo de orgulho para todos que fazemos a UFC. Somos, hoje, um centro de referência quando se trata de transplante de fígado. Isso impacta diretamente na qualidade de vida de nosso povo e, também, na qualidade do ensino médico que prestamos”, avalia o Reitor Jesualdo Farias.

O alto desempenho do Hospital se refletiu diretamente na população atendida. A taxa de mortalidade dos pacientes que estão na fila de espera caiu de 47,79% em 2010 para 11,84% no ano passado. O índice de sobrevida dos pacientes transplantados foi de 84,3% em 2013.

O prof. Huygens Garcia destaca que, pela primeira vez, um hospital fora do eixo Sul-Sudeste é o maior do Brasil em transplantes de fígado e obtendo resultados semelhantes aos grandes centros internacionais.

Panorama no Ceará

” alt=”” aria-hidden=”true”>
Total de 130 transplantes de fígado foi realizado pelo HUWC em 2013 (Foto: Arquivo UFC)

Os números do RBT mostram uma evolução crescente do transplante de fígado no Ceará, quase triplicando a quantidade de procedimentos em sete anos. Em 2013, foram 194 no Estado – 67% deles realizados no Hospital Universitário Walter Cantídio. Além da UFC, os procedimentos também foram realizados no Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e no Hospital São Carlos.

Com isso, o Ceará foi o Estado que mais realizou transplantes no Brasil, em relação a sua população: 23 transplantes por milhão de população (pmp), seguido pelo Distrito Federal, com 20,6, e por Santa Catarina, com 18,7. Em números absolutos, o Estado foi o segundo do País, atrás apenas de São Paulo (648 transplantes, distribuído em vários centros e hospitais, como o Einstein, o Hospital da Beneficência Portuguesa e o Hospital da USP).

Por conta disso, o Hospital tem servido como um polo regional, atraindo pacientes de toda a região Norte/Nordeste, e também do Centro-Oeste, Sudeste e até do Sul do País. Dos mais de 900 transplantes de fígado realizados nos últimos 12 anos, mais da metade (507) veio de outros estados.

Imagem: Além do chefe do Serviço de Transplante Hepático do HUWC, Huygens Garcia, o Reitor Jesualdo Farias também concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira (Foto: Rafael Cavalcante)

Mais transplantes

Além dos transplantes hepáticos, o HUWC tem se destacado em transplantes de medula, rim, pâncreas e córneas. No caso de medula, o Hospital Universitário Walter Cantídio foi responsável pela introdução da técnica no Estado. Ano passado, realizou 31 dos 36 procedimentos feitos no Ceará – o que equivale a 86,7%.

A capacitação da equipe garantiu, em outubro, a autorização para que o HUWC passasse a realizar coleta e transplante alogênico (quando o paciente recebe a medula de um doador). Até então, o HUWC fazia transplante autólogo, em que o paciente recebe as células sadias de sua própria medula. O 1º transplante deste tipo foi realizado em fevereiro deste ano.

No caso de rim, o Ceará totalizou 262 transplantes no ano passado, 112 deles no Hospital Universitário Walter Cantídio (42,7% do total). O HUWC também realizou um dos dez transplantes de pâncreas.

 

Via Tribuna do Ceará

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *