Entrevista: Deputado Delegado Cavalcante fala sobre a política do Ceará e do Brasil

Entrevista com o deputado Delegado Cavalcante. Ele  fala de seu segundo mandato e o que mudou na Assembleia Legislativa hoje ele sendo oposição. O deputado diz que, agora no PSL, está tendo mais liberdade de expressar suas ideias, assim como o governo Bolsonaro que está dando a oportunidade de se discutir diversos assuntos com o governo Federal. O deputado fala também sobre o evento acontecido na sexta-feira (03/05) na Assembleia Legislativa com a participação de vários deputados, de todos os estados, entre o que foi discutido estava a questão da previdência dos policiais militares, que é administrado pelo estado do Ceará, modificado em 2012, segundo o deputado, de forma impositiva. O deputado Delegado Cavalcante sobre a questão da Segurança Pública do estado e sobre a sua atuação como presidente da Comissão de Defesa Social, objetiva os trabalhos desenvolvidos pela Segurança Pública e na fiscalização de possíveis crimes relacionados a menores.

O deputado fala sobre prováveis assédios morais contra policiais, agentes penitenciários e outros servidores da Pasta da Segurança Pública aqui no estado do Ceará. Para o deputado Cavalcante, a administração pública do Governo Federal deve rever a questão dos menores envolvidos em crimes, e cita as várias atividades criminosas que esses menores praticam no mundo do crime. Para o delegado Cavalcante o Estatuto da Criança e Adolescentes (ECA) protege demais os menores, é uma legislação paternalista segundo o parlamentar.

Fala sobre o Pacote Anti-crime do ministro Sérgio Moro e a condução do presidente Bolsonaro na modernização das leis que combatem o crime. Segundo o deputado, um dos pontos do projeto prevê que os criminosos fiquem presos até serem julgados em definitivo. Fala sobre os universitários e as Universidades, e fala sobre alunos que assistiam aulas nus, e complementa que nossa sociedade não concordada com esse tipo de procedimento.

O deputado fala sobre a oposição a esse pacote anti-crime por parte do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM). Para ele é uma censura no whatsapp, onde o governo não pode divulgar para a população os benefícios desse projeto do ministro Sérgio Moro, isso devido as regras de compartilhamento do aplicativo. E comenta várias questões envolvendo a Câmara dos Deputados e o Governo Federal. Sobre as fakes news espalhadas contra o presidente Bolsonaro, o deputado atribui aos “esquerdopatas”, o “povo que acabou com o Brasil”, emenda o deputado Delegado Cavalcante. Agora, diz o parlamentar que Bolsonaro vai moralizar o Brasil e a importância de acabarem os cursos universitários, que segundo o deputado, transformam as pessoas em gente promíscua. Diz que é favorável a acabar a lei Rouanet e acabar tudo que possa prejudicar a nossa sociedade. Fala sobre o mal estar entre o PSL, com o deputado André e o deputado Federal Capitão Vagner, segundo o parlamentar tudo foi acertado em diálogo. Também fala das questões envolvendo a questão hídrica do Ceará e do Vale do Jaguaribe sobre a obra da transposição do São Francisco. Garantindo que será resolvido esse ano. E diz que no governo Bolsonaro funciona com honestidade, agora quem comente o que é errado vai preso. Esses e outras informações dessa entrevista, você confere ouvindo a íntegra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *