Chefe de facção diz que orientação é não atacar rivais

Por orientação dos conselheiros finais da Guardiões do Estado (GDE), membros da facção criminosa não devem atacar rivais, salvo em situações de autodefesa. Foi o que afirmou Yago Steferson Alves dos Santos, 26, o Yago Gordão, em depoimento à Polícia Civil, no último dia 19 de dezembro, quando foi preso. Ele é apontado como um dos fundadores e chefes da organização criminosa.A recomendação, afirma Yago, conforme o interrogatório ao qual O POVO teve acesso, teria relação com a queda no número de homicídios registrada no Estado. O Ceará vem, consecutivamente, diminuindo as estatísticas de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) desde maio de 2018, numa comparação com os mesmos períodos anteriores.

“Há três meses (setembro 2018, portanto) foi decidido que os integrantes da facção iriam deixar de dar ataques aos membros de rivais, devendo apenas se proteger em caso de ataques”, declarou Yago aos policiais da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco). “Vocês devem ter notado que os homicídios diminuíram”, complementou.

O traficante foi preso em Natal (RN) e autuado na Lei das Organizações Criminosas, com o agravante de exercer posição de comando. No depoimento, Yago confessou ser traficante de drogas e disse atuar na região dos bairros Conjunto Esperança, Parque Santa Rosa e Aracapé, além da comunidade do Jardim Fluminense, no Siqueira. Também agiria no bairro Alto Alegre, em Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Nesses locais, distribuiria cargas de cocaína que variavam entre 15 e 20 quilos. Comprava por cerca de R$ 15 mil e revendia por R$ 20 mil. “Quem me pede para vender, eu vendo. Não tenho um local fixo para distribuir”, disse. Em janeiro, ele foi um dos 18 integrantes da GDE transferidos para a Penitenciária Federal de Mossoró (RN) em reprimenda à onda de ataques no Ceará.

Mas apesar da orientação dos chefes de fazer cessar os ataques, no interrogatório, Yago afirmou que os conselheiros da GDE, sozinhos, não têm condições de acabar com a guerra entre as facções no Estado. Ele ressalta, no entanto, que a chefia teria como “evitar um grande estrago”. “A guerra nunca vai acabar. Já foi muito derramamento de sangue”, contou.

O POVO solicitou à Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) uma manifestação sobre as declarações do traficante. A pasta afirmou, no entanto, por meio de assessoria de imprensa, que não iria se pronunciar.

Em fevereiro, Costa já havia rechaçado a hipótese de que a redução nos homicídios tivesse alguma relação com uma trégua na guerra das facções. “Não precisa ser especialista para responder à seguinte pergunta: você faria acordo com quem matou sua esposa, seu pai, sua irmã ou seu filho? A resposta é óbvia demais”, postou no Instagram. “A redução de homicídios é resultado de uma ação enérgica do Estado dentro e fora dos presídios”, completou.

A facção descrita pelo comando

Primeira facção criminosa surgida no Ceará, a Guardiões do Estado (GDE) se expandiu para Alagoas e Rio Grande do Norte e já arregimentou mais de 25 mil membros em mais de três anos de existência. Os detalhes foram revelados após as prisões de Yago Steferson Alves dos Santos, o Yago Gordão, Francisco de Assis Fernandes da Silva, o Barrinha, e Francisco Tiago Alves do Nascimento, o Tiago Magão. Capturados no intervalo de quatro meses, eles são apontados como “conselheiros finais” da organização.

Os chefes máximos seriam 13, segundo Barrinha, e 14, de acordo com Yago, conforme os interrogatórios aos quais O POVO teve acesso. Enquanto Tiago negou fazer parte da cúpula da facção, Barrinha e Yuri confessaram o pertencimento — eles teriam ainda participado da fundação da GDE. Ambos, no entanto, se recusaram a nomear os demais conselheiros.

“Se eu disser isso vou morrer”, justificou Yago. Para desvendar o comando da facção, O POVO fez um levantamento de todos os criminosos já apontados pela Polícia Civil ou Ministério Público do Ceará (MPCE) como comandantes máximos da facção. No total, chegou-se ao nome de 13 “conselheiros” (ver quadro).

Trecho de uma conversa por aplicativo obtido pela Draco, envolvendo Barrinha e Yago, detalhou o funcionamento dessa cúpula. Trata-se de uma mensagem encaminhada por Barrinha cujo conteúdo seria uma votação do conselho final da GDE. A pauta: “quebrar a comarca de Quixadá e pegar os alemãos”.

O significado, conforme a Draco, seria uma ordem para o domínio do município, mediante confronto com os rivais do Comando Vermelho (CV). Nove chefes haviam votado a favor e apenas um foi contra. Os conselheiros teriam influência em uma vasta base de faccionados. Segundo Yago, o número total de membros da GDE é 20 mil. Já Barrinha apontou a existência de 35 mil.

Os dois discorreram também sobre o surgimento da facção. De acordo com Yago, a fundação ocorreu em 1º de janeiro de 2016, dentro do sistema penitenciário. Yago rechaçou a versão de que a facção teria surgido no bairro Conjunto Palmeiras. Essa interpretação, diz ele, só ocorre porque foi lá que apareceu a primeira pichação da organização.

Já a criação seria a forma de responder à “opressão” imposta pelos rivais do Comando Vermelho (CV). “Eles achavam que alguém era caboeta e já decretavam logo (condenavam à morte)”. Barrinha foi além e atribuiu o surgimento à sede do CV e do Primeiro Comando da Capital (PCC) de dominar o Estado.

A expansão das duas facções do Sudeste teria gerado a morte de vários “nativos”. Por isso, foi criado a facção, um “mecanismo de defesa” dos criminosos cearenses contra os “abusos” do PCC e CV. Daí o Guardiões no nome da organização. (Lucas Barbosa e Thiago Paiva) 

O controle e as orientações aos membros

Yago Steferson, o Yago Gordão, detalhou que cada membro da GDE tem uma espécie de ficha de inscrição, com matrícula, nome do padrinho, lugar de origem e apelido. Todos têm de pagar uma cota mensal à facção da forma como puderem contribuir. No entanto, como chefe, Yago disse não pagar nada.

“Me viro sozinho. Não dependo do dinheiro da facção”, argumenta. Barrinha contou que cada faccionado paga R$ 50 às “sintonias” de cada bairro, que repassa o dinheiro para familiares dos presos que estão no sistema penitenciário federal. Essa seria a forma como eles custeavam alimentação, viagem e hospedagem para as visitas, entre outros gastos.

No interrogatório, policiais da Draco quiseram saber ainda se havia um grupo específico na facção para deliberar mortes de autoridades públicas. Yago negou, mas detalhou que, caso fosse necessária uma ação contra qualquer autoridade, “pessoas mais esclarecidas” se reuniriam para falar a respeito.

“Quero deixar claro que nenhuma autoridade chegou a ser decretada. Se aconteceu alguma morte, é coisa pessoal”, ressaltou, citando como exemplo o triplo homicídio de PMs ocorrido em agosto passado, no bairro Vila Manuel Sátiro. A ação teria ocorrido sem o aval do “Conselho Final”. Porém, por se tratar de “algo pessoal”, a facção não puniu os autores — “não iríamos nos envolver”.

Yago e Francisco de Assis, o Barrinha, ainda comentaram sobre a suposta aliança com o PCC. Barrinha contou que, desde 2016, PCC e GDE possuem uma parceria. Pacto que teria o intuito de evitar a extinção do PCC no Estado. Em contrapartida, a GDE ganharia trâmite nacional, nos locais onde o PCC atua.

Já Yago enfatizou que a Guardiões não “dependeria” da facção criada em São Paulo. Segundo ele, o PCC não fornece armas para a GDE. A relação se dá porque alguns membros da organização cearense adquirem drogas do PCC. “Até porque eles controlam muitas fronteiras”, destacou.

Ele também negou o envolvimento da GDE com políticos e policiais. “O que pode haver é uma sintonia de uma quebrada dar algum dinheiro para político de um bairro para fortalecer o local e ajudar a população. Mas não é para receber nada em troca”. Sobre os policiais, afirmou: “Se o conselho souber que isso está ocorrendo, é para morrer. Da Polícia, a gente está é se escondendo”, concluiu.  

Facção cearense é maioria nas ruas, aponta levantamento da Draco

Conforme estimativa da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), a facção Guardiões do Estado (GDE) já possui mais de 25 mil membros. É o que consta no documento em que a especializada solicitou 46 mandados de prisão preventiva e de buscas e apreensão, no âmbito da operação Aditium, realizada em março último, em 15 municípios do Estado.

O objetivo era desarticular um esquema de recrutamento da facção. A operação teve início após a prisão de um homem apontado como “geral do cadastro” da GDE, Antônio Cristiano de Andrade Costa, em janeiro. No celular dele, a Polícia encontrou mais de 300 “fichas de inscrição”, em que candidatos a membro, para entrar na organização, davam nome, apelido e comunidade onde moravam.

No parecer sobre o caso, o Ministério Público do Ceará (MPCE) afirma que a GDE é a maior facção em número de membros em liberdade. “Esta facção se destaca pelo fato de seus líderes se encontrarem pulverizados por bairros das cidades e no interior do Estado, de modo que cada faccionado responde diretamente às ordens do líder do bairro ou região, o que não desconfigura a hegemonia de uma liderança final e de seus conselhos”, diz o texto.

Saiba mais

No depoimento de dezembro, Yago Steferson antecipou ainda a possibilidade de que uma nova onda de ataques ocorresse no Estado. Dias depois, o Ceará enfrentou o 15º ciclo de atentados registrado no Estado, segundo levantamento do O POVO, com mais de 200 ataques, em mais de 40 municípios. A onda durou quase dois meses.

Na oitiva, Yago afirmou que, “num futuro próximo”, novos ataques poderiam ocorrer em razão da forma como se deu distribuição dos presos por facção nas penitenciárias, o que teria feito a GDE perder espaço para o CV. “Os membros da GDE estão reclamando demais pela falta de cadeia. Se o governo continuar dando espaço apenas para o CV, eles vão se rebelar cedo”, avisou.

O POVO questionou à SSPDS se houve algum planejamento ou estratégia de prevenção aos ataques, baseados no depoimento de Yago. A pasta, contudo, não respondeu à demanda.

Em Natal, o traficante ostentava um carro de luxo e flat de alto padrão, alugado na Praia de Ponta Negra. Já no Ceará, havia três mandados de prisão em aberto contra ele. Yago responde por homicídio, tráfico de drogas, crimes de trânsito, ameaça, disparo de arma de fogo, posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e uso ou posse de drogas. Todos entre 2011 e 2017.

Já Barrinha, no depoimento, também comentou os ataques de janeiro. De acordo com ele, houve uma forma de trégua entre as facções para que as atenções fossem voltadas aos atentados. Barrinha ainda afirmou que os ataques cessaram porque não possuíam efetividade. “Não dá para bater de frente com o Estado”, disse.

Chefes da GDE

Diversos criminosos já foram identificados pela Polícia Civil na linha de comando da GDE. O POVO listou aqueles que já foram apontados como integrantes do conselho superior da facção. Conforme o relatório da Draco, o grupo é responsável por “definir os rumos da organização e o modo de atuação”. Foram identificados e presos:

Auricélio Sousa Freitas, o Celim

Um dos fundadores da facção, comanda o tráfico de drogas na região do Barroso II e adjacências.

Deijair de Souza Silva, o De Deus

É tido como um dos conselheiros mais respeitados, conforme a Polícia Civil, que já o qualificou como o “01”, da GDE.

Misael de Paula Moreira, o Afeganistão

Além de conselheiro, ele comandava um grupo considerado a “tropa de elite” da facção, responsável por missões de execução, a OQC.

Noé de Paula Moreira, o Gripe Suína

Irmão de Misael, teria sido um dos responsáveis por autorizar a Chacina do Forró do Gago, ao lado de Barrinha, De Deus, Misael, Celim, Zaqueu e outros.

Daniel Júnior dos Santos Batista, o Júnior Play

Um dos primeiros a ser qualificado como membro do conselho. Foi durante a operação Vera Pax, deflagrada em 2017 pelo Ministério Púbico do Ceará (MPCE), que confirmou a existência de um acordo de paz entre facções no Ceará.

Zaqueu de Oliveira da Silva, o H20

Comandante do tráfico na comunidade Rosalina.

Marcos da Silva Pereira, o Marquinhos Chinês

Comandava o tráfico na comunidade Verdes Mares e seria o principal abastecedor de drogas dos bairros Meireles e Papicu.

Yago Steferson Alves dos Santos, o Yago Gordão

Preso em Natal, foi interrogado e acabou revelando detalhes do funcionamento da facção.

Francisco de Assis Fernandes da Silva, o Barrinha

Outro fundador da facção, já esteve na lista dos mais procurados do Estado. Foi preso no último dia 13, em Recife (PE).

Francisco Tiago Alves do Nascimento, o Tiago Magão

Foi capturado juntamente com Barrinha, em Recife, onde levavam uma vida de luxo.

Humberto Álvaro de Souza Pereira, o Jacaré

Preso em novembro de 2018, possui passagens pela Polícia por crimes como tentativa de homicídio, posse de armas e tráfico de drogas.

Marcos André Silva Ferreira, o Branquinho ou Dedé

Preso em outubro de 2018, na mesma operação que capturou Marquinhos Chinês, em um apartamento avaliado em R$ 1 milhão na Beira-Mar.

Edgly Dutra Barbosa, o Dudeca ou Padeiro

Após fugir do sistema prisional em 2015, foi preso em 2017 e autuado por tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo, posse de vídeo com conteúdo de pornografia infantil, esquema de clonagem de veículos e organização criminosa.

 

LUCAS BARBOSA E THIAGO PAIVA – in Diário do Nordeste

TAGS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *