Justiça cassa mandatos de prefeito e vice em Araripe. No Ceará, mais 7 prefeitos tem problemas na justiça

A Justiça Eleitoral do Ceará cassou nesta quarta, 16, os diplomas e mandatos do prefeito de Araripe, Cícero Ferreira da Silva, do PDT, e do vice, José Orlando de Albuquerque, bem como os tornou, pela decisão, inelegíveis por oito anos. Os motivos da cassação, segundo impetrado pela justiça foram: abuso de poder econômico e por omissão de gastos de campanha na prestação de contas, prática conhecida por “caixa-dois”.

“Além de constituir sanção proporcional e razoável às condutas perpetradas, assume importante caráter pedagógico para que se desenvolvam campanhas mais hígidas e transparentes e para transmitir a informação de que a figura do “caixa dois” não é tolerada pela Justiça e deve ser alijada do processo eleitoral”. Pontuou o juiz eleitoral Sylvio Batista dos Santos Neto na decisão pela cassação dos diplomas dos candidatos.

O prefeito Cícero, conhecido apenas por ‘Cícero de Deus’ entre os munícipes, disse a um blog local que está tranquilo e recorrerá da decisão ao Tribunal Regional Eleitoral do Ceará. Ele foi eleito no último pleito, em 2020, com 52,15% dos votos válidos. Prefeito e vice permanecem no cargo até o julgamento do recurso nas instâncias superiores.

NO CEARÁ

No estado, ao menos sete cidades passam por problemas semelhantes, envolvendo chefes eleitos do executivo que tem pendências na justiça eleitoral. Em alguns casos, os políticos já até sofreram derrotas na justiça, mas permanecem no cargo aguardando recursos de instâncias superiores, o que deixa um clima de instabilidade nos municípios. Confira as cidades e gestores com problemas no tribunal de justiça eleitoral cearense:

  • Cedro: João Diniz (PDT), vice Ana Nilma – abuso de poder político e econômico;
  • Croatá: Ronilson Oliveira (MDB), vice Márcio Magalhães Felinto – abuso de poder econômico;
  • Itaiçaba: Frank Gomes Freitas (PDT), vice Iranilson Lima Bezerra – inelegibilidade superveniente;
  • Juazeiro do Norte: Glêdson Bezerra (Podemos), vice Giovanni Sampaio – abuso de poder econômico;
  • Pacajus: Bruno Figueiredo (PDT), vice Francisco Fagner – abuso de poder político;
  • Pedra Branca: Antônio Gois Monteiro Mendes (PSD), vice David Melo – incompatibilidade com o cargo;
  • Viçosa do Ceará: Zé Fimino (MDB), vice Dr. Marcelo – abuso de poder político.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *