Operações em Jaguaruana e Limoeiro prende advogado e duas mulheres suspeitas por apropriação indébita de benefícios previdenciários

Três pessoas, sendo um advogado e duas mulheres,  foram alvos de mandados de busca, apreensão e prisão preventiva, cumpridos na última terça, 1, durante operação da Polícia Civil nas cidades de Jaguaruana e Limoeiro do Norte, no Vale do Jaguaribe.

Conforme a investigação dos policiais, o advogado Pedro Julião Bandeira Régis Júnior, a assistente Francisca Carla Pinheiro Mendes e Joana Francisca de Abreu, que se apresentava como também como advogada, mesmo sem registro na Ordem dos Advogados do Brasil, a OAB, atuavam captando clientes. Na maioria dos casos, pessoas com baixo nível de instrução e formação.

O objetivo, segundo levantamentos da operação, era a apropriação de benefícios previdenciários por meio da retenção de documentos pessoais. As prisões foram decretadas após os policiais civis tomarem conhecimento acerca de um golpe sofrido por uma pessoa cujo parente é uma criança com Transtorno do Espectro Autista. De acordo com o caso, os suspeitos conseguiram a concessão de um benefício para o menor, mas não fizeram o repasse dos valores retroativos referentes ao recurso.

Segundo o apurado, no esquema, Joana buscava as vítimas que necessitavam de suporte jurídico para concessão e recebimento dos benefícios. Em seguida, Carla recebia a documentação para fazer as solicitações, conseguindo até o acesso ao sistema “Meu INSS”. Por fim, Pedro Julião e outros advogados levavam a causa à Justiça. Quando o recurso era deferido, o trio criminoso se apropriava dos valores retroativos, fazendo rateio do dinheiro. Carla ainda fazia saques bancários indevidos. A maioria dos golpes foi aplicado em Jaguaruana, mas a Polícia Civil investiga a atuação do grupo em municípios vizinhos.

Além das prisões, foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas residências e escritórios de advocacia das mulheres em Jaguaruana e no escritório e residência do homem, em Limoeiro do Norte, todos com representantes da OAB ratificando o ato. Nos locais, os policiais civis apreenderam ainda computadores, celulares, documentos pessoais e processuais das vítimas. O trio responderá por associação criminosa, apropriação indébita, falsidade ideológica e exercício irregular da profissão.

Com informações do Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *