Na Câmara, vereador se enfurece contra ação judicial; diversos mandatos estão nas mãos da justiça em Quixadá, que julgará fraudes nas cotas femininas no último pleito eleitoral

Como estamos relatando há semanas, a Justiça Eleitoral no Ceará tem tomada ações enérgicas e inéditas contra aqueles que tentaram burlar as regras do jogo democrático nas últimas eleições. Em Croatá, Nova Russas e Pacatuba, a Justiça cassou chapas inteiras de partidos acusados de fraudes na legislação que envolviam a cota de participação feminina. Em Russas, uma ação do tipo poderá sustar o mandato de mais de 50% dos componentes da Câmara. Quixadá é outra cidade que está na mira do judiciário eleitoral por uma ação idêntica. Essa semana, com o cerco se fechando, algumas figuras políticas se sentiram ameaçadas e, acuadas, começaram a desferir ataques contra seus opositores.

Uma dessas figuras é o advogado Jackson Perigoso. Vereador eleito para um primeiro mandato em 2020, com 856 votos, Perigoso -que é dono de um site na região- se candidatou pelo Patriota, um dos partidos acusados judicialmente de tentar enganar a Justiça Eleitoral. Em ação movida pelo PT contra o Patriota e o PSB -outro partido com acusação semelhante- um grupo fez alegações de quem os petistas deveriam ‘aprender sobre legislação eleitoral’ e que os processos ‘não dariam em nada’. Acontece que alguns passaram a se incomodar com a possibilidade de perder seus mandatos. Em sessão na última quarta-feira, 26, Jackson usou seu tempo de fala para acusar o Partido dos Trabalhadores de não respeitar a vontade do povo em querer ‘roubar’ seu mandato.

Vídeos gravados da sessão mostram o parlamentar em momentos que variavam entre se exaltar e tentar controlar a aparente raiva. Proferindo palavras que soaram ofensivas a figura do petista ex-prefeito Ilário Marques, presidente da sigla em Quixadá, o vereador diz que o partido deveria deixara as coisas como estão, pois já elegeu uma bancada grande e não precisaria de mais vagas no parlamento. Horas depois, Ilário lançou nota em nome do partido, ressaltando que a ação encabeçada pelo PT não tem por objetivo “prejudicar vereador A ou B“, mas sim de “garantir a lisura do processo eleitoral“; a nota reforça ainda que não é justo que siglas que fraudaram a lei ocupem os espaços daqueles que seguiram o que regia a legislação eleitoral.

O PT tem a maior bancada na Câmara de Quixadá. O partido elegeu 4 representantes em sua chapa majoritária. O PDT vem logo em seguida, com 3 nomes. Ambos os partidos representam a oposição. Patriota e PSB, envolvidos na suspeita de fraude, tem respectivamente 3 e 1 nome eleito e fazem parte da bancada de situação do prefeito Ricardo Silveira. Se a justiça seguir o que vem fazendo em outras cidades, o parlamento quixadaense vai ganhar uma reviravolta, com Ricardo perdendo 4 apoiadores ferrenhos. As vagas, possivelmente em sua maioria, seriam do próprio PT e PDT, pelo número de votos obtidos pelas siglas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.