Senador Girão consegue assinaturas para expandir ‘CPI da Covid’

O senador Eduardo Girão, do Ceará, conseguiu assinaturas suficientes para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) expandida, que investigue também estados e municípios em relação à gestão da pandemia. A ação é uma resposta da base de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que vem protestando pela ampliação das investigações desde o anúncio do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM/MG), de que instalaria a CPI da Covid nesta semana, a pedido do Supremo Tribunal Federal (STF). Na prática, a mudança tiraria o foco unicamente do Governo Federal. Segundo o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, a abertura será feita na sessão de amanhã (13). Agora, o Senado terá uma queda de braço em relação aos limites da Comissão, assunto que também divide os parlamentares cearenses.

Girão criticou a decisão do ministro Luís Roberto Barroso com determinação para que a CPI da Covid fosse instalada e falou sobre as articulações para conseguir assinaturas nos últimos dias: “Com a determinação esdrúxula do STF, invadindo a competência do Legislativo, governando o País, isso criou uma comoção nacional.” Segundo o senador, “faltou transparência e sobrou desonestidade nos contratos firmados entre gestores públicos desonestos e a iniciativa privada”. Em defesa do Governo Federal, Girão disse ainda: “Se você foca apenas em um ente federado, você está focando em desgastar a imagem de apenas uma parte, que mandou centenas de bilhões de reais para estados e municípios”.

Outro senador cearense comentou o caso. Cid Gomes foi um dos que se posicionaram contra a mudança de rumo da CPI: “CPI não é brincadeira. Há uma comissão para ser instalada, inclusive com determinação do STF. Tentar ampliar sem limites o objeto da Comissão de Inquérito, como na CPI do fim do mundo ou criar outra serve para desviar do fato principal e gerar confusão.” disse.

Um dos senadores favoráveis à ampliação da CPI, Jorge Kajuru, vem divulgando desde domingo, 11, áudios de uma conversa que teve por telefone, no sábado, com o presidente Jair Bolsonaro. Nela, Bolsonaro reforça o desejo de mudança de foco nas investigações. “Se mudar (o objeto da CPI), 10 para você, porque nós não temos nada a esconder”, disse o presidente em trecho da conversa. “Se não mudar, a CPI vai simplesmente ouvir o Pazuello, ouvir gente nossa para fazer um relatório sacana”, complementa o presidente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.