7 a cada 10 pacientes internados por Covid no Ceará em 2021 têm alguma comorbidade

Os pacientes com comorbidade são os mais hospitalizados por Covid-19 no Ceará. De acordo com boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), de 1º de janeiro de 2021 até o último dia 27 de março, 6.378 dos 8.838 internados com síndrome respiratória aguda causada pelo coronavírus têm comprovadamente uma ou mais comorbidade. Ou seja, a média é que 7 a cada 10 pacientes que compõem o grupo de risco, precisem de leitos.

49% destes internamentos são de idosos de 60 a 89 anos de idade. As comorbidades mais presentes, segundo os dados:

  • Cardiopatia (2.655 casos)
  • Diabetes (1.978) casos)
  • Obesidade (688 casos).

Também foram elencadas as categorias de doenças pré-existentes ou condições associadas:

  • Renal (243)
  • Imunodepressão (157)
  • Pneumopatia (174)
  • Neurológica (296)
  • Asma (187)

O cardiologista intervencionista Jorge Henrique de Carvalho Rocha explica que cardiopatia é um termo amplo, podendo ser de caráter congênito ou adquirida. O especialista destaca que é preciso entender que a Covid-19 é uma doença de caráter inflamatório e trombótico, com risco de agravamento da primeira para a segunda semana, a chamada fase de transição da doença.

“Assim como outras partes do corpo, o coração tende a apresentar maior inflamação. Quando se junta a fase inflamatória da doença na forma grave, induzindo perda de função, com o aspecto trombogênico da doença, isso gera uma disfunção maior da bomba, o coração”, afirma Jorge Henrique.

E complementa: “O paciente mais idoso costuma ser um paciente que carrega a cardiopatia há anos, como consequência de um histórico familiar, ou da diabetes, ou da hipertensão descontrolada, ou do tabagismo, por exemplo. É um coração que vem de longa data em sofrimento. Então, quando exigido dele um pouco mais, é natural que reaja com pouca efetividade”, destacou.

*DN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *